PERGUNTAS FREQUENTES

QUEM PODE USAR? COMO USAR?  O TRATAMENTO.

- Quem pode usar a Ibogaína?

Qualquer pessoa que respeite um período de abstinência, que varia em função da droga de abuso, e que não tenha problemas de saúde física, como doenças graves de coração, fígado, rins, epilepsia, e que não seja portador de doenças psiquiátricas, como psicoses, principalmente esquizofrenia.

- Quais são os exames preparatórios?

É feita uma avaliação clínica do paciente, que inclui exame físico e exames laboratoriais: Hemograma, Glicose, Transaminases, Creatinina, Magnésio, Potássio, Sódio e ECG.

 - Como é feito o preparo da Ibogaína?

A medicação é fabricada a partir da planta Tabernanthe iboga e encapsulada na quantidade necessária para cada paciente em particular, de acordo com peso, sexo, idade e droga de abuso.

- Como é o tratamento? Quanto tempo dura? Quais são as etapas?

A ibogaína é uma ferramenta que facilita a psicoterapia, então o tratamento consiste em realização de exames prévios, e psicoterapia preparatória, normalmente 4 sessões.

Para a ingestão da ibogaína são necessárias 24 horas de internação em hospital, onde o paciente recebe a sua dose particularizada da medicação, e após a alta, deve continuar com a terapia, por um tempo variável, a critério do psicólogo assistente.

  

- Qual é a diferença entre o uso em um ritual xamânico ou em um tratamento hospitalar?

São basicamente duas diferenças: primeiro, a substância em si, que no caso do tratamento em ambiente hospitalar é uma preparação farmacêutica, fabricada por laboratório reconhecido, seguindo as boas práticas da atividade, enquanto no ritual a substância usada muitas vezes é de origem desconhecida, assim como são desconhecidas a pureza, a concentração, etc.

E, em segundo lugar, no tratamento em ambiente hospitalar, o paciente fica sob controle e monitoramento permanente da equipe de médicos e de enfermagem, enquanto no ritual normalmente a pessoa fica em ambientes campestres, em sítios, chácaras, às vezes longe de recursos importantes que podem fazer falta no caso de algum imprevisto.

- Quais são os efeitos colaterais?

Tontura, tremores, náuseas, vômitos, sempre relacionados à movimentação, deambulação, movimentos bruscos. Recomenda-se que o paciente permaneça deitado durante o maior tempo possível após a ingestão da medicação.

- Qual é a importância da adesão e manutenção do tratamento?

A adesão ao tratamento e a observação das orientações aumentam muito a eficácia do tratamento, podendo chegar a mais de 70% de sucesso.

- Onde a ibogaína é produzida seguindo as Boas Práticas de Fabricação?

Na Índia (era no Canadá, mas mudou para Índia, onde hoje é produzida em um dos maiores e mais respeitados laboratórios do mundo.)

- Quais hospitais podem fazer o tratamento?

Qualquer hospital que possua em seu corpo clínico, médicos familiarizados com o procedimento.

 

- Existem hospitais especializados no Brasil? É seguro fazer um tratamento fora de um hospital?

No Brasil, não existem hospitais especializados no tratamento com ibogaína mas o procedimento, se realizado com um médico devidamente capacitado, pode ser realizado em diversos hospitais. Além do médico capacitado e de um hospital com toda a infra estrutura necessária, o tratamento deve ser realizado com medicação GMP (ou BPF – Boas Práticas de Fabricação).

Não é seguro fazer esse tipo de tratamento fora de um hospital, pois as reações que a ibogaína pode causar, apesar de serem facilmente contornáveis em ambiente adequado, podem ser fatais em ambientes mal estruturados.

Existem inúmeras clínicas no Brasil, inclusive as autodenominadas clinicas hospitalares, que fornecem esse tipo de tratamento mas, infelizmente, muitas sem preparo para tal, seja em infraestrutura hospitalar, seja em conhecimento técnico – inclusive clínicas que efetuam a aplicação dividida em diversos dias ao invés de em dose  única.

- Quais são os cuidados no tratamento?

Respeitar as orientações, manter abstinência prévia de estimulantes e de alguns remédios antes da aplicação, fazer a preparação psicoterápica, fazer o acompanhamento psicológico depois da aplicação.   

 

 

Como em qualquer outra situação em medicina, aconselhar-se com bons profissionais, utilizar instalações adequadas e medicação de alta qualidade, são o melhor caminho para minimizar riscos e otimizar o resultado do tratamento.