IBOGAÍNA – UM NOVO TRATAMENTO

A ibogaína é um dos 12 alcaloides presentes na planta Tabernanthe iboga, que cresce na África ocidental, principalmente no Gabão. Apesar de ser usualmente classificada como alucinógeno, ela é, na verdade, um onirofrênico, que induz ao sonho.

O uso de Ibogaína pelo povo Bwiti, do Gabão, foi observado por exploradores franceses e belgas no século 19, mas existem registros de que este uso já era realizado desde a pré-história.

Os Bwiti costumam usar pequenas doses de Ibogaína durante toda a sua vida, durante eventos comemorativos. No entanto, aos 17 anos de idade, em uma cerimônia semelhante à Primeira Comunhão ou ao Bar Mitzvá, tanto homens quanto mulheres ingerem grandes doses da ibogaína. Com a ingestão dessas altas doses, algumas vezes, seus usuários relatam ter algumas visões. Isso acontece porque a ibogaína atua de uma maneira no cérebro que leva o usuário a um estado equivalente ao sono REM, que é quando acontecem os sonhos.

Por causa desse efeito, equivocadamente confundido com uma alucinação, a ibogaína acabou sendo levada para Nova Iorque no início dos anos 60 a fim de ser comercializada como uma substância recreativa.